COLUNA - Canto do Conto #03

Boa noite leitores!
Vamos conferir o texto de hoje da coluna Canto do Conto!

Os textos desta coluna são de autoria da querida Vanessa Santos do blog Mar de Letras.

Leiam e comentem! Vamos adorar saber a opinião de vocês. 


Pathos, é uma palavra grega que significa paixão, excesso, catástrofe, passagem, passividade, sofrimento e assujeitamento. 
O conceito filosófico foi cunhado por Descartes para designar tudo o que se faz. ou acontece de novo é geralmente chamado (pelos filósofos) de pathos. 
E se o conceito está ligado a padecer, pois o que é passivo de um acontecimento padece deste mesmo. Portanto, não existe pathos senão na mobilidade, na imperfeição.

Podia ouvir passos ecoando sob o assoalho de madeira antigo.  Seus passos rápidos à sua procura se tornavam constantes, audíveis e cada vez mais próximos. Primeiro distante ao longo do corredor de casa. Depois mais próximo: pela sala, cozinha, o quarto. Tanto um quanto o outro exalavam ansiedade. Paixão. Sexo. Ansiava por ele. Pelo seu corpo. Pela sua presença.

A porta é escancarada. Verso e reverso. Reverso  e inverso. Corpos imersos um no outro.
Beliscões. Tapas. Gemidos. Brincadeiras. Risadas. Gemidos. Gozo. Pathos.
 O porém. Um descontrole momentâneo. Um lapso. Arrependimentos.  Promessas que nunca seriam cumpridas. Com o passar do tempo o prazer é substituído pela dor e o sadismo noturno se tornara habito diurno e diário. Toda noite ouvia aqueles passos incessantes e fortes pelo assoalho de madeira do corredor. O som da madeira velha sendo pisada se misturava ritmicamente com o alto som das aceleradas batidas de seu coração. A ansiedade pela sua chegada não se definia mais em desejo, mas sim em angústia e medo.
 Tapas. Empurrões. Agressões físicas e verbais. Perversões. Hematomas irreversíveis pelo corpo e espinhos na alma. Não havia mais prazer, atração, deleite e muito menos respeito. Sai de casa. Arrisca pelos tramites legais: denúncia, exames, delegacia. Esbarra na burocracia. O que lhe resta é sumir com a roupa do corpo, algum dinheiro e sua vida.

  Assim como a vida terrena pode ser uma antessala para o céu ou o inferno (seja ele físico ou mental), o sofrimento inerente a ela também é. Sua escolha foi o céu. Reuniu todas as forças  e lutou para escapar. Mudara de casa, bairro, cidade e vida. O que permaneceu apenas foi o assoalho de madeira na casa nova. Não por escolha própria mas por um deboche do destino.
 Ainda não estava segura e muito menos feliz. Estava no caminho para  tal. Analises, calmantes e até em missas aos domingos estava presente. Mas à noite seu sono era sempre interrompido pelos passos ecoando em seus ouvidos...

Passos são ouvidos pelo corredor da nova casa. Se tornam cada vez mais audíveis e próximos. Adrenalina. Acende todas as luzes e não vê ninguém. Seu coração acelera e bate forte. Os passos continuam. Adrenalina e ansiedade. Tudo é acelerado. Exagerado. Suor frio. Medo. Medo... Estremece. Ainda assim consegue se mover. Vinham do corredor que dava para o banheiro.  Conforme se move, seu coração trabalha em demasia e em compasso com os passos agora cada vez mais altos. Mais próxima do cômodo ouve o som mais distintamente.  Tenta se controlar, respirar fundo. Chega ao cômodo tremendo e acende a luz. Nada vê. Nada ouve mais. Seu passado vem à tona. O barulho retorna e  é ensurdecedor. Confusa, abaixa a cabeça e deixa a água da bica da pia cair. Toma alguns calmantes. Os sons dos passos e de seu coração diminuem gradativamente. Gradativamente... Levanta a cabeça e abre os olhos.

- Eu escolhi o céu!
E nesse breu percebe uma imagem demoníaca de seu ex companheiro  entranhando nela pouco a pouco. E o som novamente. O som de seus próprios passos. Pathos. Inferno na terra. Ad Aeternum...



Por hoje é só!
Espero que tenham gostado e que deixem aqui seus comentários!
Bjus



6 comentários:

  1. Nossa Lia. Achei muito bacana a ideia dessa coluna. É uma chance da Vanessa mostrar pra gente um pouco do seu talento. Parabéns para as duas... BJS!

    ResponderExcluir
  2. Obrigado Elimar. Sua opinião é muito importante para mim... Bjus

    ResponderExcluir
  3. Nossa, eu adorei..
    A Vanessa escreve muito bem!!
    Parabéns! ^^

    bjs
    http://dailyofbooks.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Como disse na outra vez e repito sua escrita tem potencial parabéns.

    ResponderExcluir
  5. Nossa, a Vanessa escreve muito bem.
    Espero próximos contos dela. Esse, eu adorei!

    Bjks

    ResponderExcluir
  6. Obrigada gente pelos elogios!Mas gostaria de saber mais... O que sentiram ao ler? Prendeu a atenção?Qual a interpretação de voces para o final do conto? bjs

    ResponderExcluir

Olá ao passar por aqui, deixe um comentário. É sempre uma delícia poder conhecer sua opinião.
Obrigado por visitar e comentar no Doces Letras!