COLUNA - CANTO DO CONTO #04


Bom dia leitores!
Vamos conferir o texto de hoje da coluna Canto do Conto!

Os textos desta coluna são de autoria da querida Vanessa Santos do blog Mar de Letras.

Leiam e comentem! Vamos adorar saber a opinião de vocês. 
O Grito
Todo dia ela faz tudo sempre igual: Abre os olhos, mas não desperta para a vida. Seus olhos cheios de remela também estão cheios de lágrimas acumuladas. Cortinas e janelas são abertas. O brilho do sol entra no seu quarto. Com as janelas abertas consegue sentir o cheiro da grama ainda molhada pela chuva da madrugada. Observa o brilho solar iluminando o quarto e sente na pele o seu quente toque enquanto observa a movimentação de pessoas na sua casa. Seu corpo sente, mas sua alma não. Sente mas não vive. Sente mas não vibra.
Vira daqui, vira dali. Luvas colocadas. Trocar a agua do banho após a lavagem da cabeça. Lavar com uma esponja o pescoço, pés e braços. Vira daqui, vira dali. Tudo feito com muito cuidado. Não é fácil. Havia engordado 13 quilos desde então. Banho havia se tornado sinônimo de culpa, somente pelo trabalho que fornecia. Quando o relógio bate meio dia em ponto é hora de almoço. 60 gotas por minuto. Lavar as mãos com água e sabão. Secar com papel toalha. Arroz, carne e legumes são cozidos, batidos no liquidificador e postos em um frasco. Uma mangueira é colocada na sonda. 60 gotas por minuto. O almoço era seguido de descanso. Após a cesta de uma hora, fisioterapia e psicólogo. Assim seguia seus dias. Pontual e rotineiro. Rotina interrompida somente pelos seus sussurros por socorro.
“Por favor, me ajude!”,sussurrava para a psicologa, família, enfermeiros. Suplicava todos os dias. Até atingir o coração daquele ou daquela que tinha ouvidos não somente para escutar, mas também para ouvir. Até atingir alguém...
Todo dia ela faz tudo sempre igual: Abre os olhos para o mundo e também para a vida. Seus olhos cheios de remela também estão cheios de expectativa. Cortinas e janelas são abertas. O brilho do sol entra no seu quarto agora vazio. Esta no calçadão fazendo sua corrida matinal. Chega em casa com pingos de suor pelo corpo, tira o tênis de corrida e toca a grama molhada. Levanta a cabeça e abre os braços como se quisesse abraçar o mundo ao seu redor. Agradecia a Deus pela sua existência. Agradecia a Deus por ter atingido alguém com seu incessante pedido. Agradecia a Deus por não mais sentir dor. Sente na pele o quente toque solar enquanto observa a movimentação de pessoas na rua. Seu corpo sente, assim como sua alma e espírito. Sente e vive. Sente e vibra. Poderia ficar ali para sempre...
Seu gozo é interrompido com o ruído de janelas sendo abertas. Abre os olhos. Como é o único órgão que consegue mover, eles movimentam-se freneticamente. Tenta desesperada e loucamente falar através deles.Tudo era tão real! Tão tangível! Queria ser livre novamente!”Oh Deus, liberta-me! Permita-me voltar!”
NÃOOOOOOOOO! MATEM-ME, POR FAVOR! QUERO MORRER! “Já não sussurrava. Já não era um pedido contido. Mas sim um grito. Um grito seco. Único. Agudo. Um grito de morte.

 Já são nove da manhã e todos os dias ela faz tudo sempre igual: Abre os olhos, mas não desperta para a vida. Seus olhos cheios de remela também estão cheios de lágrimas acumuladas. Cortinas e janelas são abertas. O brilho do sol entra no seu quarto. De seu aposento sente o cheiro da grama ainda molhada pela chuva da madrugada, observa o brilho solar iluminando o quarto e sente na pele o seu quente toque enquanto observa a movimentação de pessoas na sua casa. Seu corpo sente, mas sua alma não. Sente mas não vive. Sente mas não vibra.

Para conhecer um pouco mais da Vanessa, ou para ler outros contos, acesse o blog Mar de Letras! 



Mais um ótimo Conto, da colunista Vanessa Santos.
Espero que tenham gostado e que deixem aqui seus comentários!
Bjus
 

6 comentários:

  1. É interessante... mais eu acho que falta algo.. não sei.. queria saber mais..
    Beijo mila

    ResponderExcluir
  2. Parabéns pela escrita, muito interessante suas construções.

    ResponderExcluir
  3. Adoro a coluna,os textos são sempre bons,bens escritos e ainda nos levam a refletir!!!!

    Parabéns pelo conto!!!

    bjsss

    Bianca
    http://www.apaixonadasporlivros.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Gostei da maneira como o conto foi escrito, e sua construção no geral. Parabéns.Eu sempre fico com um gostinho de quero mais, depois que eu termino de ler, algo qu eme agrada. bju
    Eykler

    ResponderExcluir
  5. Esses contos da Vanessa sempre deixam a gente com gostinho de quero mais. Adoro. Gostaria muito de ter talento para escrever assim, mas não foi a vontade de Deus... BJS Lia! Adorei o conto!

    ResponderExcluir
  6. Adorei a coluna, muito legal!
    O conto está 10!!
    Beijinhos
    Renata
    http://escutaessa.blogspot.com.br
    http://www.facebook.com/BlogEscutaEssa
    @blogescutaessa

    ResponderExcluir

Olá ao passar por aqui, deixe um comentário. É sempre uma delícia poder conhecer sua opinião.
Obrigado por visitar e comentar no Doces Letras!