RESENHA - Todo Dia - David Levithan - Galera Record


Boa noite leitores,
saindo mais uma resenha fresquinha pra vocês.

Desta vez, vou falar sobre um livro que tem feito um grande sucesso entre os leitores.
O livro é Todo Dia de David Levithan, publicado aqui no Brasil pela Galera Record.

Conheça o livro:
Sinopse:
Neste novo romance, David Levithan leva a criatividade a outro patamar. Seu protagonista, A, acorda todo dia em um corpo diferente. Não importa o lugar, o gênero ou a personalidade, A precisa se adaptar ao novo corpo, mesmo que só por um dia. Depois de 16 anos vivendo assim, A já aprendeu a seguir as próprias regras: nunca interferir, nem se envolver. Até que uma manhã acorda no corpo de Justin e conhece sua namorada, Rhiannon. A partir desse momento, todas as suas prioridades mudam, e, conforme se envolvem mais, lutando para se reencontrar a cada 24 horas, A e Rhiannon precisam questionar tudo em nome do amor.

Livro: SITE - GALERA RECORD - FACEBOOK - SKOOB

Confira o Book Trailer!


Sobre o autor:
David Levithan é editor de livros infantis em Nova York. Vive em Nova Jersey.

Contatos: SITE - FACEBOOK - TWITTER





O livro Todo Dia por David Levithan foi, para dizer o mínimo, instigante. Eu já tinha lido Will & Will - onde David Levithan divide a escrita com John Green e já tinha gostado de seu estilo. Mas este romance colocou uma nova perspectiva sobre a vida, pela visão de um adolescente. A maioria dos adolescentes têm grupos onde eles costumam fazer suas conexões. Neste caso o adolescente desta história tem que mudar a cada dia.

A história segue um personagem, de sexo e nome desconhecido, como ele vive, sua vida, acordar a cada dia como uma nova pessoa. Até que ele possui o corpo de um cara chamado Justin. O personagem, que se chama A, apaixona-se por Rhiannon, que é a namorada de Justin. Rhiannon é uma jovem bonita, instigante e insegura, e que não recebe de Justin toda a atenção que merece e gostaria.
Todas as manhãs A tem a chance de começar de novo. Isso também significava, que ele não poderia se apegar a ninguém. Normalmente, ele não tem nenhum problema em fazer isso até que ele encontra Rhiannon. A partir desse momento, as regras pelas quais A tem vivido já não se aplicam. Porque finalmente, A encontrou alguém com quem ele quer estar dia após dia, ou seja em todos os dias.

A história é centrada em torno de algo que muitas pessoas querem - poder começar todos os dias com uma vida limpa. Mas ele faz mais do que isso, ele tem que conviver com as conseqüências de entrar na vida de alguém, tentando se passar por eles. Ele mostrou que viver uma vida diferente da sua, é uma luta. Ele não tem uma escolha. Ele não pode decidir, quem ele seria ou o que sua vida seria.

Todo Dia, foi uma leitura muito interessante. Eu lia durante horas sem parar, apenas para saber se ele iria conseguir se reunir com Rhiannon, ou apenas para saber o que ele teria que enfrentar no dia seguinte. Eu entendo que como um adolescente, ele poderia querer começar de novo e que ele se esforce para se adequar aquela vida. Mas, no caso de A ele tem que começar de novo a cada dia e ele se esforça para se acostumar em um novo grupo a cada dia - algo que eu nunca iria querer fazer.

Encontrar e se apaixonar por Rhiannon, é como uma salvação. A, acaba confiando seu segredo a Rhiannon e ela aos poucos vai acreditando nele e também se apaixona por ele. Mas ao mesmo tempo, ela não tem certeza do que fazer, como agir nesta situação. Ela se torna sua âncora, mas como você pode se apaixonar por alguém que não tem forma física? Eu realmente entendi o lado dela. Como seria se apaixonar por alguém que não importa o quanto você precise dela, ela pode não estar com você no dia seguinte. Estar com alguém que habita indivíduos diferentes a cada dia da sua vida é como o encontro de um conjunto diferente de novas pessoas a cada dia. E eu acho que, por mais que nós possamos amar alguém, ainda é um ponto muito difícil, nós olharmos para fora dele ou dela, em vez de realmente quem ele ou ela é.

É por isso que eu realmente não vejo a personagem de Rhiannon como superficial. Isto é devido ao fato de que ela realmente tenta amar A e nós sabemos que ela realmente ama A, mas quem somos nós para culpá-la ao se sentir confusa, cada vez que ela conhece um novo A? Uma vez que, você poderá ver A como uma menina, um menino, uma rainha da beleza adolescente e assim por diante e assim por diante. E a verdade da questão, é que todas nós temos o desejo feminino por um final feliz. Alguém que iria acordar com a gente todos os dias. Uma pessoa constante ao nosso lado.

Cada dia um corpo diferente. Cada dia uma vida diferente. A cada dia o amor com a mesma garota. Nunca há qualquer aviso sobre onde ele irá ou quem será. A está em paz com isso, e ele já tem as diretrizes estabelecidas para viver deste jeito: Nunca fique muito apegado. Evite ser notado. Não interfira.

O autor também nos mostra, como A se sente passando por tudo isso. Ele também nos mostra o lado das pessoas que A habita. A confusão de não saber o que aconteceu no dia em que A toma o seu corpo.
Você pode ver a maneira como A se sentia, como se estivesse no escuro e estivesse perdido em uma história ou memória, que ele não consegue encontrar. Ele também retrata o medo de uma pessoa que sabe que alguém o tem controlado sem ele saber exatamente o que acontece. As vezes ficava irritada com o autor, pela maneira que ele dramatizou a história, mas ao mesmo tempo eu também consegui entender o sentido do porque ele fez o que fez. Porque sabemos, que às vezes, é realmente assustador não saber o que se passa com a gente. Nós sempre nos esforçamos para lembrar de tudo, tanto quanto pudermos, porque é assim que somos feitos.

Embora a premissa do romance de Levithan, possa parecer absurda, o conceito é um ponto de partida profundamente provocador, para explorar uma grande variedade de assuntos e temas ... Todo Dia, também toca em nosso coração, nos mostrando o que significa ser humano e o que significa amar. Ambas as coisas são na melhor das hipóteses, indescritíveis e no pior delas  impossíveis para A.
A profunda solidão de uma vida - a falta de conexão genuína, e a ausência da oportunidade de conhecer alguém ao longo do tempo, fazem que as vezes, seja quase insuportável.


No geral, Levithan mostrou uma história, em que cada dia se rompe os limites do verdadeiro amor, da auto-estima e do que é certo ou errado. Ele usa um estilo de escrita, na qual você pode pensar e sentir em como seria viver como A. Além disso, a história nos dá um tempo para refletir, e dar valor ao quanto somos afortunados, por termos pessoas que podemos ver todos os dias, e mesmo que as vezes a gente se sinta entediado com a nossa normalidade, essas pessoas ainda são a nossa âncora constante na vida e uma prova que, sim ... nós existimos.

O livro tem uma capa simples, mas que em minha opinião tem tudo a ver com a história. A leitura flui fácil e as fontes escolhidas, a diagramação, revisão e a cor das páginas nos deixa à vontade para a leitura. 
Aproveito para parabenizar a Galera Record, pela ótima escolha de publicação.

Curiosidade:

Achei a ideia da editora genial! Espalhar 200 exemplares pelas cidades do Rio de Janeiro e São Paulo, foi uma sacada de mestre. E feliz são aqueles que acharam os livros, pois vão poder se deliciar com um ótima história. 

Conclusão:
"Se há uma coisa que eu aprendi, é esta: Nós todos queremos que tudo esteja sempre bem. Nós nem sequer desejamos tanto que seja fantástico ou maravilhoso ou excepcional. No final, vamos nos contentar com Bom,  porque na maioria das vezes, estando bom é o suficiente ".
Bjus

5 comentários:

  1. Oi, Lia achei muito interessante a temática do livro. Recomeço, principalmente através da visão de um adolescente que ainda é tão jovem. Ótima resenha, que nos faz querer ler o livro. Quem dera eu encontrasse =)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Ver, eu gostei do livro. Tem uma história bem inusitada mas, que nos deixa muito envolvidos com a história.
      Bjus

      Excluir
  2. Sei que o livro é bom e foi bem aclamado... Porém não tive ainda o interesse de ler... Mas claro que se eu encontrar um desses perdidos irei pegar e ler! hehehehehe Adorei a idéia da editora! Bela resenha!

    ResponderExcluir
  3. Oi Lia... eu não dei muito por esse livro quando ele chegou,mas pelo visto me enganei... A narrativa é muito interessante e como a Gabi,já vi muita gente da blogosfera falando dele.

    Ele está aqui na minha imensa lista de leitura....

    bjsss

    Bianca

    ApaixonadasporLivros

    ResponderExcluir
  4. Adorei a temática de Todod Dia, totalmente inusitada. Acho q poucas pessoas poderiam ter imaginado uma prisão tão diferente como essa q é estar preso ao corpo de pessoas diferentes a cada 24 horas. Bela resenha. Merece sim, ser lido!

    Adriana Medeiros

    minhavelhaestante1.blogspot.com

    ResponderExcluir

Olá ao passar por aqui, deixe um comentário. É sempre uma delícia poder conhecer sua opinião.
Obrigado por visitar e comentar no Doces Letras!