[DIVULGAÇÃO] 30 de janeiro é o Dia das Histórias em Quadrinhos!



       Olá, eu sou a Kênia Cândido do Blog Histórias Existem Para Serem Contadas e a colaboradora do Blog Doces Letras.
      Hoje dia 30 de janeiro é o Dia das Histórias em Quadrinhos!
      Venha conferir:


       Neste dia, conheça ou relembre grandes clássicos do nosso selo  Quadrinhos na Cia!
       De Art Spiegelman, Marjane Satrapi, Spacca e Lilia Schwarcz até Will Eisner, Angeli, Hergé e muitos outros!



Um dos livros mais importantes da literatura brasileira contemporânea, Dois irmãos vem, desde seu lançamento há quinze anos, conquistando novas gerações de leitores. E foi com o mesmo entusiasmo desses leitores que Fábio Moon e Gabriel Bá embarcaram na missão de adaptar o romance de Milton Hatoum para uma graphic novel. Entre os mais premiados da última década, os irmãos quadrinistas vêm igualmente arrebatando fãs e trazendo uma verdadeira legião de leitores às HQs. Suas obras foram publicadas em diversos países, atravessando fronteiras culturais e políticas.
Ao mesmo tempo que preserva a força narrativa de Hatoum, esta adaptação evidencia o talento de Bá e Moon na construção de histórias que alternam entre a tragédia, a delicadeza, a brutalidade e o humor. No traço deles, a vida dos gêmeos Yaqub e Omar ganha novos contornos épicos. A Manaus dos quadrinhos, feita de um jogo de luz e sombras, acolhe este drama que cruza gerações e, seja nos grandes planos ou nos mínimos detalhes, carrega o enredo original de energia e vitalidade.
Quem conhece a obra de Hatoum vai não apenas reencontrar, mas redescobrir com outros olhos personagens marcantes como Domingas, Halim, Zana e Dália. E os novos leitores terão contato com um riquíssimo universo ficcional, um drama que, ao esmiuçar a intimidade e a rivalidade de Yaqub e Halim, lança luz nas frestas das relações familiares, do amor e da história recente do Brasil.

Para contar a trajetória de um pintor histórico francês no Brasil, ninguém melhor do que um "cartunista histórico" brasileiro. O pintor histórico é Debret, que, depois de homenagear Napoleão em Paris, passou quinze anos no Brasil com a Missão Artística Francesa, retratando a família real, fazendo cenários para teatro, ensinando pintura e montando, no seu Viagem pitoresca e histórica ao Brasil, uma riquíssima iconografia da vida do Império durante o século XIX.
O "cartunista histórico" é Spacca, que já se aventurara pela "História em Quadrinhos" com Santô e os pais da aviação, também publicado pela Companhia das Letras. Aqui, Spacca nos mostra como a queda de Napoleão tornou a situação política dos que o apoiavam insustentável - o que acabou por motivar a aventura tropical de Debret -, além das intrigas e rixas da incipiente vida artística do Rio de Janeiro.
Com prefácio, cronologia, bibliografia e galeria de obras, o livro é uma introdução ao tema da história da arte no Brasil, mas não pára por aí. O traço de Spacca conta, sem perder o humor, os atrasos de anos na criação da Academia de Belas Artes, a rivalidade com o grupo dos artistas portugueses e os ataques de ambas facções.
Contada por um cartunista, a história de Debret no Brasil fecha um ciclo: através de seu discípulo predileto, Manuel de Araújo Porto Alegre, autor da primeira caricatura impressa no Brasil, Debret também é o mestre dos cartunistas brasileiros.

Há quem diga que d. João gostou tanto do Brasil que por aqui foi ficando. Mesmo depois que os franceses foram expulsos de Portugal, que aconteceu o Congresso de Viena, que a paz foi decretada e a guerra chegou ao fim, o prícipe português preferiu não voltar a ocupar o seu trono em Portugal. Na nova capital do Império, sediada no Rio de Janeiro, o príncipe regente reproduziu a pesada estrutura portuguesa, criou instituições e escolas, fundou jornais e o Banco do Brasil. Além do mais, encontrou um belo lugar para morar - a Quinta da Boa Vista -, onde ficava, sobretudo, apartado da esposa, Carlota Joaquina, que vivia em Botafogo.
Esqueceu da guerra, sarou da gota e aproveitou o clima e as frutas dos trópicos. Acomodou-se de tal maneira que virou um "João carioca" - personagem popular de nossa história e cuja passagem pelo Brasil completa duzentos anos em 2008. Para lembrar dessa data especial, o cartunista Spacca e a historiadora Lilia Moritz Schwarcz narram a aventura da casa real que atravessa o oceano e pela primeira vez governa um império a partir de sua colônia americana.
O livro reconta essa história usando a linguagem dos quadrinhos, elaborada a partir de extensa pesquisa, não só documental e historiográfica, como fielmente pautada na iconografia da época. A obra traz ainda uma bibliografia sobre o tema, uma cronologia que ajuda a entender os fatos no calor da hora e inclui uma galeria de esboços preliminares e estudos de personagens, cenários e vestimentas. D. João nunca foi tão brasileiro!

      

     Bjos, até a próxima...




 

3 comentários:

  1. Esse começo de ano está sendo tão intenso NÃO TEM CONDIÇÕES!!kkk Eu estou vendo muitas séries e lendo pouco (principalmente porque estou na espera de alguns livros chegarem, e nem li os da black ainda kkk). É pouco tempo para consumir tanto conteúdo kkk. Passei pra conferir o post novo e curtir como sempre. Vc tem postado mais que nunca esse mês kkk.Abraços
    http://lumenseries.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Olá!!
    Parecem ótimos livros, embora não seja o gênero que costumo ler.
    Beijos
    http://masenstale.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Opaaa... quantas novidades fiquei um pouquinho afastada e eis que surge tantas novidades para todos os gostos,ótimos livros,muita leitura boa.Bjs e ótima leitura!

    ResponderExcluir

Olá ao passar por aqui, deixe um comentário. É sempre uma delícia poder conhecer sua opinião.
Obrigado por visitar e comentar no Doces Letras!