[RESENHA] Ligeiramente Perigosos - Mary Balogh - Editora Arqueiro


Bom dia leitores!
Hoje venho compartilhar com vocês as minhas impressões sobre um romance de época que ganhou meu coração!
Vem comigo...
LIGEIRAMENTE PERIGOSOS

FICHA TÉCNICA
LANÇAMENTO: 10/04/2017
TÍTULO ORIGINAL: SLIGHTLY DANGEROUS
TRADUÇÃO: ANA RODRIGUES
FORMATO: 16 X 23 CM
NÚMERO DE PÁGINAS: 304
PESO: 0.42 KG
ACABAMENTO: BROCHURA
ISBN: 9788580416459
EAN: 9788580416459
PREÇO: R$ 39.90
E-BOOK
eISBN: 9788580416466
PREÇO: R$ 24.99
Sinopse:
Aos 35 anos, Wulfric Bedwyn, o recluso e frio duque de Bewcastle, está ávido por encontrar uma nova amante. Quando chega a Londres, os boatos que correm são os de que ele é tão reservado que nem a maior beldade seria capaz de capturar sua atenção.
Durante o evento social mais badalado da temporada, uma dama desperta seu interesse: a única que não tinha essa intenção. Christine é impulsiva, independente e altiva – uma mulher totalmente inadequada para se tornar a companheira de um duque. Ao mesmo tempo, é linda e muito, muito atraente.
Mas ela rejeita os galanteios de todos os pretendentes, pois ainda sofre para superar as circunstâncias pavorosas da perda do marido. No entanto, quando o lobo solitário do clã Bedwyn jura seduzi-la, alguma coisa estranha e maravilhosa acontece. Enquanto a atração dela pelo sisudo duque começa a se revelar irresistível, Wulfric descobre que, ao contrário do que sempre pensou, pode ser capaz de deixar o coração ditar o rumo de sua vida.
Em Ligeiramente perigosos, o sexto e último livro da série Os Bedwyns, Mary Balogh conclui a saga desta encantadora família em uma trama repleta de cenas sensuais, tiradas espirituosas e personagens à frente de seu tempo. Ao unir um homem e uma mulher tão diferentes, ela mostra que o resultado só poderia ser um par perfeito.


Não sei vocês, mas eu costumo ter muita dificuldade para resenhar livros que eu gosto muito. Mesmo depois de 6 anos resenhando para o blog, ainda não consegui compreender o que se passa, ou qual o motivo deste block. Sempre fico com a sensação que não consegui ser boa o suficiente, que não consegui passar na resenha tudo aquilo que o livro me fez sentir. Mas, como isto não tem jeito de resolver, vou deixar aqui as minhas impressões sobre Ligeiramente Perigosos, e ficar na torcida para que minhas palavras, alcancem vocês.

Eu não amei a série como um todo. No meu caso ela teve altos e baixos. Alguns livros eu gostei e outros li por obstinação. Até o momento o livro que mais tinha curtido era o da Freyja, a irmã mais velha de Wulfric, e em minha opinião a personagem feminina das mais arrojadas que já encontrei em livros. Por isso quando comecei a ler Ligeiramente Perigosos, não tinha muitas expectativas, além de uma curiosidade normal com o que eu iria encontrar sobre o Wulf, um personagem enigmático, frio e deveras arrogante nos outros livros.

Por este motivo, fiquei muito surpreendida com o que encontrei. Sabe aqueles livros que te pegam de jeito? Que te surpreende e te encanta do início ao fim?
Pois foi assim com Ligeiramente Perigosos. Eu amei este livro. Amei os personagens e gostei muito da maneira como a autora desenvolveu seu enredo, fazendo com que o humor, o amor e todas as demais emoções conseguissem nos tocar e nos cativar por inteiro. 

Parecia uma outra autora, outra escrita, e devo dizer que se todos os livros da série, tivessem seguido este mesmo desenvolvimento, com certeza esta teria sido uma das minhas séries preferidas. Mas, vamos a história...

Wulfric Bedwin é o Duque de Bewcastle, um homem com seus 35 anos, determinado, forte, intransigente, e muito poderoso. Acostumado a ter todas as suas vontades atendidas e a comandar sua família com mãos de ferro. Um homem que se mostra extremamente competente em cuidar de sua família e seu legado, mas que passa uma imagem de alguém distante e frio.

A Sra. Christine Derrick tem 29 anos e é viúva há dois anos. Ela foi casada aos seus 20 anos com Oscar Derrick, o irmão mais novo de Basil, Visconde de Elrick. Ela é absolutamente encantadora (como o próprio Wulfric a chama), uma heroína cheia de vitalidade e bondade genuína que tem paixão pela vida e não tem qualquer pretensão ou artifício em se tratando de se tornar duquesa. Uma dama que tem uma tendência para entrar em situações embaraçosas e públicas, mas que acaba sempre agradando a todos. E o melhor de tudo, ela é capaz de rir de si mesma sempre que ela comete algum erro.

Wulfric Bedwyn, Duque de Bewcastle, encontra-se em um estado de ânimo atípico. Anda ensimesmado, se sentindo meio perdido após a morte de sua amante, que já estava com ele há uns dez anos. Além disso a casa da família anda vazia e muito quieta, desde que todos os seus irmãos encontraram seus pares e a tal felicidade conjugal. Por isso sem que ele mesmo entenda acaba aceitando um convite para participar dos festejos na casa da irmã de um amigo casual. Quando chega ao tal evento descobre que não se trata de um encontro de cavalheiros eruditos e sim uma festa de noivado que vai durar duas semanas. Após a sua chegada, as suas já baixas expectativas sobre qualquer prazer que ele provavelmente encontrará lá afundam ainda mais, quando uma jovem mal vestida se inclina sobre a balaustrada e derrama limonada em seu olho.

Os fãs de Balogh desejaram ver Wulfric, o imperturbável duque de Bewcastle, apaixonado, e Balogh criou a heroína perfeita para derrubá-lo - Christine Derrick, uma jovem viúva que não é da alta realeza, ou seja, uma pessoa que pertence a alta sociedade inglesa, mas num escalão mais baixo por assim dizer. Alguém que tem o hábito de se colocar em situações muito impróprias. Os dois se encontram em uma festa que ocorre por duas semanas, onde Christine derrama acidentalmente limonada nos olhos do duque e depois se atreve a rir dele. Wulfric desaprova a classe de Christine e maneiras infames, mas não pode deixar de se sentir encantado por sua personalidade efervescente. Por sua vez, Christine despreza a atitude glacial e superior de Wulf, mas ela se sente atraída por ele fisicamente. Como os fãs do gênero já devem antecipar, os opostos se atraem não importa o quão duro o herói e a heroína lutem contra isso, e um encontro sexual não planejado complica seus sentimentos ainda mais.  

Eles são opostos de muitas maneiras: Christine é leveza, riso e alegria e Wulfric é austeridade e altivez e dever opressivo. No entanto, Balogh faz um trabalho tão incrível na escrita deles e em sua relação. A química entre Christine e Wulfric é incrivelmente magnética. Precisamos lembrar, pra quem leu todos os livros, que Wulfric, o nosso herói, NÃO sorria ou ria até quase o final deste livro. A história de amor entre eles irá te tocar fundo. E você vai adorar e acreditar em cada encontro, em cada progressão de seu relacionamento. 



Os diálogos entre Christine e Wulf são muito espirituosos e inteligentes, sempre com algum teor nas entrelinhas, e acompanhar a interação deles e o desenvolvimento de sua relação e o crescendo de seus sentimentos foi muito prazeroso. Também gostei muito de rever todos os Bedwins, dos livros anteriores e sentir como cada um deles teve alguma participação para que o desfecho do romance entre o casal acontecesse. 
 "Ela simplesmente não sabia se comportar.  Como lidar com uma mulher que insistia em sustentar seu olhar toda vez que o flagrava a observando, que o desafiava erguendo as sobrancelhas... e então ria dele? (Pág. 158)"
 "Eu? - Christine espalmou a mão no peito e olhou para ele, perplexa. - já deu uma boa olhada em mim, Vossa Graça? Não tenho a beleza ou a elegância de nenhuma das outras damas presentes aqui nesta noite. Mesmo usando um vestido novo, tenho plena consciência de que pareço... e sou a prima do interior." (Pág. 170)
Eu achei maravilhoso poder ver um outro lado da personalidade de Wulf. Poder conhecer suas motivações, seus medos. Poder entender melhor suas decisões e o motivo dele ser do jeito que é. Descobrir que dentro daquele coração que imaginávamos ser de gelo, havia sim, muito calor e muito amor para ser compartilhado.

É impossível não fazer comparações entre Ligeiramente Perigosos e Orgulho e preconceito. Wulfric tem muita semelhança com o Sr. Darcy em sua dedicação para com sua família, sua reserva extrema, sua consciência onipresente de suas responsabilidades para com sua classe e herança, e os aspectos controladores de sua personalidade. Igualmente, a heroína Christine Derrick é animada, social, abençoada com um par de "belos olhos" e - assim como Elizabeth Bennett - é mais atraente quando está animada. A estrutura básica do livro tem alguma semelhança com esse amado romance. Na verdade, no que me concerne, é quase que uma homenagem para a grande e maravilhosa Jane Austen. E isto foi algo que me encantou no livro!
 "Que diabos  havia naquela mulher que o fizera desejá-la como sua noiva?Mesmo depois do que acontecera entre os dois perto do lago, Wulfic poderia ter cogitado torná-la sua amante um preço suficiente a ser pago - e ela não poderia ter esperado por mais. a própria reação de Christine Derrick às palavras que ele não chegara a dizer por completo provara isso. Por que casamento, então? E que reação fora aquela, que o deixara descomposto por semanas, meses até, depois da recusa inesperada? Orgulho ferido? (Pág. 155)."
Mais um vez Freyja nos mostra seu lado encantador, e inesperado em suas interações com sua família e Christine. Como falei lá em cima, o livro dela era o meu preferido até ler este. Agora Ligeiramente Perigosos ganhou seu posto de preferido da série. Eu gostaria de ter um epílogo mais longo, mas como um todo fiquei muito feliz e satisfeita com o desfecho que a autora deu para a série. 
 " - Sou homem além de duque, Sra. Derrick - disse ele.   Christine desejou que ele não tivesse dito aquilo. foi como se um punho gigante houvesse lhe dado um soco na barriga, lhe roubando todo o ar dos pulmões e a força das pernas.   - Eu sei. - Ela estava sussurrando. Então pigarreou. - Eu sei.   - E a senhora não foi indiferente a esse homem - continuou o duque.   - Eu sei." (Pág. 187) 
Ligeiramente Perigosos, me figou de jeito e me deixou apaixonada por tudo que li. Só posso recomendar que se você gosta de romances de época, de histórias cativantes, e com um herói que irá te emocionar ao finalmente mostrar seu coração, este é o seu livro.
Bjs

2 comentários:

  1. Oi Lia!

    Mais uma resenha maravilhosa! Eu ainda não estou seguindo essa série, mas a dica está anotada para adquiri-la.

    Bjos
    http://historiasexistemparaseremcontadas.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Kênia.
      Espero que algum dia venha a conferir esta série.
      Bjus

      Excluir

Olá ao passar por aqui, deixe um comentário. É sempre uma delícia poder conhecer sua opinião.
Obrigado por visitar e comentar no Doces Letras!