[RESENHA] Trilogia Firebird - Claudia Gray - (Agir Now) HarperColiins Brasil


Olá leitores!


Hoje vou deixar minhas impressões sobre uma trilogia que me deixou muito ligada e muito surpreendida com sua história.
Vem comigo...
TRILOGIA FIREBIRD


Aqueles leitores que estão familiarizados com o blog e minhas resenhas, sabe bem o meu nicho preferido. Está acostumado a me ler falando sobre minhas impressões dos romances. Sejam eles históricos, de época, sobrenatural e até mesmo os romances policiais. Está é a minha praia, por assim dizer. Onde me situo e me sinto mega à vontade. Mas também sabe, que de vez em quando gosto de me aventurar por aí. Conhecer novos escritores e novas histórias. Gosto de viajar por estilos diferentes e me jogar em aventuras desconhecidas. Foi assim que me senti ao aceitar receber esta trilogia para ler e resenhar.

Nunca tinha lido nada da autora e minha curiosidade era grande, já que a trilogia teve uma boa repercussão lá fora, e por aqui, confesso que ainda não tinha lido nada a respeito.Por isso quando peguei para ler não tinha muita noção do que me aguardava e nem tinha expectativas quanto ao que iria encontrar. Sendo assim pude mergulhar neste mundo envolto em ficção científica de cabeça aberta.

Hoje venho contar para vocês a minha experiência com estas histórias que me levaram a um universo totalmente novo e futurista, e que de modo geral me deixou bastante satisfeita. Preparados para embarcar comigo nesta nova aventura?

Ficha Técnica:
ISBN-13: 9788569809098
ISBN-10: 8569809093
Ano: 2015 / Páginas: 288
Idioma: português
Editora: Agir Now
Sinopse:
Marguerite Caine cresceu cercada por teorias científicas revolucionárias graças aos pais, dois físicos brilhantes. Mas nada chega aos pés da mais recente invenção de sua mãe — um aparelho chamado Firebird, que permite que as pessoas alcancem dimensões paralelas. 
Quando o pai de Marguerite é assassinado, todas as evidências apontam para a mesma pessoa: Paul, o brilhante e enigmático pupilo dos professores. Antes de ser preso, ele escapa para outra realidade, fechando o ciclo do que parece ser o crime perfeito. Paul, no entanto, não considerou um fator fundamental: Marguerite. A filha do renomado cientista Henry Caine não sabe se é capaz de matar, mas, para vingar a morte de seu pai, está disposta a descobrir.
Com a ajuda de outro estudante de física, a garota persegue o suspeito por várias dimensões. Em cada novo mundo, Marguerite encontra outra versão de Paul e, a cada novo encontro, suas certezas sobre a culpa dele diminuem. Será que as mesmas dúvidas entre eles estão destinadas a surgirem, de novo e de novo, em todas as vidas dos dois?
Em meio a tantas existências drasticamente diferentes — uma grã-duquesa na Rússia czarista, uma órfã baladeira numa Londres futurista, uma refugiada em uma estação no meio do oceano —, Marguerite se questiona: entre todas as infinitas possibilidades do universo, o amor pode ser aquilo que perdura?

Em Mil Pedaços de Você, o primeiro livro da trilogia Firebird, fui apresentada a Marguerite, uma jovem de 16 anos que tem seu pai assassinado por um de seus auxiliares. Algo meio que chocante e que logo me despertou interesse em descobrir os motivos, o que fez com que um jovem brilhante com uma carreira promissora, assassinasse e roubasse friamente o seu mentor intelectual. Ela sai em busca do assassino, em busca de vingança, mas de uma forma completamente inusitada pra mim.

Marguerite, ou Meg é filha de um casal de cientistas de renome, pais amorosos mas que vivem completamente focados em seu mundo científico. São dois físicos que acabaram de fazer uma super descoberta. Eles conseguiram criar um protótipo para viajar entre os mundos paralelos e assim provar finalmente a existência destes mundos. Pelo que entendi, a cada nova escolha, nova tomada de direção que temos em nossa vida, vamos criando milhares de outras versões de nós mesmos, em realidades paralelas que vivem uma vida completamente diferente da nossa.
Seus pais desenvolveram o Firebird, uma espécie de amuleto, algo pequeno mas que tem o poder de levar uma pessoa, para dimensões diferentes, para realidades diferentes de si mesmo.

O Firebird original é roubado por Paul Markov, um dos auxiliares de Henry(pai de Meg). É também de Paul a culpa pelo assassinato de Henry. Ajudada por Theo(outro auxiliar de seu pai) ela sai em busca de Paul para poder se vingar dele e fazê-lo pagar pelo assassinato de seu pai. Mas, será assim tão fácil e descomplicado realizar isto? Meg terá forças e determinação para viajar entre estes universos sem se abalar emocionalmente, sem sair prejudicada de tudo isso? Qual será o preço a ser pago?

Assim acompanhamos as viagens ou pulos entre essas dimensões. Junto com Meg viajamos a uma Londres decadente, a uma Alemanha que foi vitoriosa, a uma América colonizada por chineses e por aí vai.

A premissa é incrível, a escrita de Claudia Gray é madura e convincente. Você se pega viajando junto com Meg, sofrendo por ela, e querendo como ela pegar Paul e elucidar todos os fatos. Percebe-se que a autora fez uma boa pesquisa sobre os termos científicos e suas ramificações. O enredo é bem construído e apesar de termos um triângulo amoroso(algo que não curto muito), ele é abordado de forma leve, e não é o tema central da história o que muito me agradou. Mas, infelizmente me senti confusa em algumas situações, não consegui criar vínculos mais estreitos com os personagens e isto é algo que me incomoda muito em uma leitura. Theo é aparentemente um doce, um cara super fofo, mas que esconde algo. Marguerite ora parece muito madura para sua idade e teve horas que a senti meio perdida. Já Paul é a grande incógnita da história. Até que ponto ele é mesmo tão frio e dissimulado? Ele é mesmo o culpado? Terá um lado mais doce e amoroso?  Bom vou deixá-los curiosos o suficiente para que queiram vocês mesmos conferir os fatos.😉
Conclusão:  A autora soube criar um equilíbrio perfeito entre ação, romance e ficção científica. 🌟🌟🌟

Ficha Técnica:
ISBN 13:9788569809869
FORMATO:15,5 X 23cm
ANO DE LANÇAMENTO:Junho/2016
NÚMERO DE PÁGINAS:336
Sinopse:
MARGUERITE CAINE fez o impossível, viajando por dimensões alternativas com o Firebird — uma invenção brilhante criada por seus pais, seu namorado, Paul, e o amigo da família, Theo. Mas ela também chamou a atenção de inimigos poderosos, dispostos a seqüestrar, chantagear e até matar para usar os poderes do Firebird para propósitos escusos.Quando a alma de Paul é dividida em quatro fragmentos — que se encontram presos dentro de Pauls em outras dimensões —, Marguerite fará qualquer coisa e irá a qualquer lugar para salvá-lo. Mas o preço de seu retorno em segurança é alto. Se ela não sabotar os próprios pais em múltiplos universos, Paul vai continuar perdido para sempre.Mas Marguerite acredita que é possível salvar seu amor sem sacrificar a família, e para isso pede a ajuda do brilhante Theo. Os dois criam um plano para recuperar Paul e o Firebird, mas para que ele dê certo eles precisarão superar um concorrente genial e vão colocar em risco não só sua vida mas também a de todas as versões de si mesmos em várias dimensões.Desta vez a missão leva os dois aos universos mais perigosos até então: uma São Francisco dividida pela guerra, o submundo do crime de Nova York e uma Paris iluminada onde a outra Marguerite esconde um segredo chocante. Cada salto deixa Marguerite mais perto de salvar Paul — mas sua jornada revela verdades sombrias que fazem com que duvide da única constante que encontrou em todos os mundos: o amor que sentem um pelo outro.

Neste segundo volume Claudia Gray continuou o incrível mundo de Marguerite e o Firebird e os teceu em alguns detalhes incríveis, surpresas e reviravoltas. A construção de camadas e do mundo é verdadeiramente incrível de acompanhar.

Desta vez fui realmente fisgada pela história e não pude largar este livro. Cada dimensão que Marguerite visita é tão distinta, diferente e bem desenvolvida que é fácil ficar totalmente imerso em cada mundo. Nada no enredo é previsível e Claudia Gray mantém você em seus dedos do pé durante todo o tempo, com um toque no final que nos deixa chocados. Os personagens e suas histórias são cativantes: muita vezes a aventura de Marguerite é um erro de prova e eu continuo pensando: "Como é que ela vai sair dessa ?"

Apesar de não curtir muito triângulos amorosos, desta vez tive que me render. Observando o relacionamento de Marguerite com Theo e Paul, a gente vê que é óbvio que Marguerite cuida de ambos e ambos, definitivamente, a amam e cuidam um do outro. O conflito e o triângulo do amor estão muito bem feitos e às vezes não sabia quem era melhor ou "certo" para Marguerite.  A autora não faz isso fácil para ela e adorei ver os diferentes Pauls e Theos em todas as dimensões.

Neste livro finalmente consegui criar laços com os personagens e passei a admirar a força e a determinação de Marguerite em sua busca pela verdade e justiça. Eu gostei do fato de que ela esteja disposta a fazer o que for necessário para as pessoas com quem ela se importa, mesmo que ela nem sempre faça isso do jeito certo, e podermos ver suas lutas internas. Não importa o que lhe seja lançado em cada dimensão. A pobre garota tem muita bagagem emocional para lidar e o preço que ela tem que pagar por isto é definitivamente visível. Ela é forte e admirável, mas não sem falhas, o que, em última análise, a torna mais confiável.

Conclusão: O livro dois funcionou muito melhor para mim, por já estar mais ambientada com a história e suas peculiaridades. Consegui me sentir conectada aos personagens e passei a vivenciar com eles os seus percalços, descobertas e sentimentos. A história fluiu bem melhor e li em apenas dois dias. 🌟🌟🌟🌟

Ficha Técnica:
ISBN 139788595080447
CATEGORIA:Ficção
FORMATO:15,5 X 23cm
ANO DE LANÇAMENTO:Abril/2017
NÚMERO DE PÁGINAS:320
Sinopse:
Destino do multiverso está nas mãos de Marguerite Caine. Ela está no âmago de uma disputa multidimensional desde que viajou pela primeira vez com o Firebird, a invenção revolucionária dos seus pais. O problema é que, quando Marguerite descobriu os planos da perversa Triad, também se deu conta de que o sucesso da companhia significaria a aniquilação total de dezenas, centenas de universos, e a morte de todos que vivem neles.
Paul Markov sempre esteve ao lado de Marguerite em suas viagens dimensionais, mas o último golpe da Triad deixou sequelas —raiva, angústia, as sombras da tragédia. Paul está lutando para superar o que aconteceu, mas, apesar das tentativas de ajuda de Marguerite, talvez ele nunca mais volte a ser como era antes.
Por isso, cabe a Marguerite enfrentar a Triad e evitar a destruição dos multiversos… sozinha. Bilhões de vidas estão em perigo. Os riscos nunca foram tão altos. E a Triad tem uma nova e perigosa arma: a Marguerite de outra dimensão, uma versão maligna, doente e sempre um passo à frente.
GOODREADS || SKOOB || COMPRAR

Desta vez Marguerite terá a difícil tarefa de tentar impredir a queda dos multiversos. Terá que estar ainda mais forte e atenta, para além de proteger e ajudar os que ama, salvar a vida de milhares de pessoas das dimensões que estão sendo atacadas. E mais do que tudo isso tentar sobreviver ao ataque que pretende matar o maior número possível de versões de Marguerite.

Vamos ter a oportunidade de ver vários clones de Marguerite, e há uma chance para todas as versões se encontrarem e se unirem. Elas têm uma conferência de tipos, informações comerciais e planos para proteger suas respectivas dimensões. Também permite que as Marguerites questionem "nossa" Marguerite sobre suas motivações e lhe permitam responder por suas ações enquanto usam seus corpos.

Marguerite veio crescendo e amadurecendo muito no decorrer das histórias e ao chegar ao final da trilogia, já tinha me conquistado totalmente. Criei uma total empatia por ela, por seus questionamentos, suas fraquezas, erros e acertos. Nem sempre tomou decisões acertadas, mas estava sempre trabalhando para ser melhor e para fazer o melhor em cada situação que lhe era apresentada.

Vamos finalmente descobrir quem é o grande vilão por trás de toda estas maldades, descobrir a verdade. Teremos a oportunidade de conferir algumas cenas divertidas, aspectos criativos e fantásticas construções mundiais. As peças do grande quebra-cabeça que vai sendo montado durante a leitura dos dois primeiros livros, finalmente é terminado e vemos as peças se encaixarem totalmente.

Em relação ao romance, desta vez ele é abordado de uma forma mais completa, o triângulo amoroso deixa de existir e a escolha é feita de uma forma muito sarisfatória não só para mim como leitora mas também para os personagens. Gostei muito da maneira como a Claudia trabalhou esta parte.

A história vai num crescendo e quando cheguei aos últimos capítulos a adrenalina já estava a mil. Temos muita ação, não tantas quanto o segundo, mas que nos causam impacto, e algumas reviravoltas importantes. Eu gostaria que a autora tivesse feito algumas coisas diferentes, resolvido outras de forma diferente, e mesmo tendo achado o final meio apressado(eu posso estar errada sobre isso, já que não sou muito experiente em ficção científica), gostei do desfecho que ela deu aos personagens e a história como um todo.

Conclusão: Finalmente chegamos ao terceiro e último livro desta trilogia que conseguiu ao longo de suas histórias me cativar totalmente. Apesar de alguns furos, alguns apartes, sobre alguns acontecimentos e desenvolvimentos nas histórias, no geral eu gostei muito do que li, e consegui me envolver totalmente pela personagem Marguerite que é a grande condutora desta viagem. 🌟🌟🌟🌟

Considerações finais:
Eu gostei muito da editora ter mantido as capas originais, pois elas refletem bem toda a diversidade encontrada nas histórias. Gostei do enredo e de como a autora o desenvolveu. Dentre os três livros, o segundo se tornou o melhor em minha opinião e também o meu preferido dos três. E fiquei muito satisfeita por ter a coragem de sair de minha zona de conforto e conhecer novas histórias e seus mundos. Quero aproveitar para me desculpar pela postagem enorme, mas senti que precisava apresentar a trilogia desta forma, e espero que tenham curtido acompanhar deste modo.

De uma maneira inteligente e bem construída, esta trilogia nos leva rumo a universos desconhecidos em busca de respostas não só para o assassinato de Henry e o roubo do Firebird, mas também na busca dos personagens por si mesmos e pela verdade. Viajamos através de intrigas, suspense, reviravoltas, ação, romance, ficção científica e de forma surpreendente por este enredo que foi muito bem articulado e desenvolvido por Claudia Gray. Mesmo se você não é um leitor de ficção científica, com certeza vai conseguir assim como eu, criar empatia por seus personagens e embarcar com eles nesta grande aventura. Recomendo.
Bjus





7 comentários:

  1. Oi, Lia!
    Finalmente vou poder começar a ler essa trilogia agora que ela está completa na minha estante.
    Nossa, eu sou apaixonada por essas capas. Uma das mais lindas da minha estante.
    Fico feliz que você tenha gostado da história, mesmo não sendo o que você está acostumada. É sempre bom sair da zona de conforto.
    Beijos
    Balaio de Babados
    Sorteio Três Anos de A Colecionadora de Histórias

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Lu.
      Espero que goste tanto quanto eu gostei. Boa leitura, e se der volte pra me contar o que achou.
      Bjus

      Excluir
  2. Oi Lia,

    Às vezes é até bom ir sem expectativas não é?! Você acaba se surpreendendo. Eu nunca li nada da autora e não sou chegada em Ficção científica, então se fosse ler, iria de cabeça aberta como você.
    Confesso que fiquei bem curiosa com sua resenha..

    Beijos Mila
    Daily of Books

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Mila.
      Ter muitas expectativas sobre alguma leitura, nunca é bom. Eu curti muito esta saída da minha zona de conforto. Espero que algum dia dê uma chance a trilogia.
      Bjus

      Excluir
  3. Oie,
    Ainda não conferi essa trilogia, quem sabe em breve!!
    Blog Entrelinhas

    ResponderExcluir
  4. Oi Lia! Eu li o primeiro e adorei! Não vejo a hora de ler os demais e fico feliz de ver que sua aventura por novos gêneros foi válida.

    Bjos!!!

    ResponderExcluir
  5. Oi Lia, sua linda, tudo bem?
    Eu sempre quis ler essa trilogia, pois sou fã de ficção científica. E fiquei muito feliz com sua opinião, pois fazer alguém que não gosta do gênero apreciar a leitura é muito mais difícil do que agradar quem já gosta Isso demonstra que a trilogia é boa. E pude perceber o amadurecimento ao longo dos livros. Você me deixou louca para ler. Adorei sua resenha!!!!
    beijinhos.
    cila.
    http://cantinhoparaleitura.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Olá ao passar por aqui, deixe um comentário. É sempre uma delícia poder conhecer sua opinião.
Obrigado por visitar e comentar no Doces Letras!