[CANTO DO CONTO] - Uma Questão de Escolha


Bom dia amores!
Hoje mais um conto da querida Vanessa Santos.



Toma um gole de café requentado e parte para o trabalho. Sai de casa às quatro e quarenta da manhã e ainda assim já esta atrasada. Uma estradinha de terra, um trem e dois ônibus estavam a sua espera. Assim como todos os outros dias, essa quarta feira seria longa e cansativa. Mora em Queimados e trabalha como cozinheira em Copacabana.


Nessa quarta feira, Janaína escolhe cortar caminho através de uma ruela por estar mais atrasada do que o habitual. Seus pensamentos giravam em torno de contas para pagar, em matricular seus meninos em um cursinho pré-vestibular social e no desejo de um dia sair daquela situação de quase miséria. Tomada por uma nuvem de pensamentos ansiosos por um futuro melhor não percebeu a suspeita movimentação ao seu redor. Perseguida desde que saiu de seu portão, Janaína foi morta no meio do caminho. No meio da semana sua vida foi interrompida. Mas antes disso foi abusada sexualmente. Estuprada mesmo. Seu corpo seria encontrado somente três dias depois.

Janaína vestia blusa de manga, calças costuradas e tênis velhos. Todos os dias fazia o mesmo trajeto. Mas naquele dia escolheu outro caminho. Talvez por cansaço, talvez para ganhar tempo, ninguém sabe. O que se sabe é que Janaína não pediu por essa tragédia.

Não pediu quando no baile do último fim de semana vestiu micro saia. Não pediu quando ficou com um carinha super simpático nesse mesmo baile. Não pediu quando só queria se divertir para esquecer as agruras da vida e ser ela mesma. Não pediu quando saiu de casa naquela manhã. Muito pelo contrário. A única coisa que pedia era forças a Deus de forma incessante para sobreviver. Forças para dar aos seus filhos as oportunidades que ela não teve.

Infelizmente, Janaína não é uma história inventada para ilustrar meu ponto de vista. Esse caso realmente aconteceu.

 Eu, você... Todas nós poderíamos ser a Janaína. E acredito que nenhuma de nós pedimos para ser estupradas. Seja na nossa forma de vestir, falar, comportar ou expressar.

Só pedimos, assim como ela, força para sobreviver.

Muito se tem discutido sobre o estupro. Não sobre o ato. A ação em si é de consenso geral ser repugnante e condenável.  O que esta em pauta é a culpa. E a culpa é de quem? Segundo pesquisas, reside na vestimenta e no comportamento da mulher.

Um post em uma rede social me chamou a atenção. Dizia assim: "A culpa é 100% sim do estuprador, isso é fato inexorável. Mas se vestir com decência, além de mostra para os outros o que verdadeiramente importa, evita muita dor de cabeça!"

Ler esse post foi como ler o meu antigo eu. Pensava exatamente dessa forma: "A única coisa que a mulher vai atrair vestindo de maneira tão provocativa será sofrer a ação de homens maníacos e sem caráter". Nunca fui nenhuma moralista puritana, mas sempre pensei que bom senso e coerência fossem requisitos básicos na vida de qualquer mulher que vive nesse mundo machista e injusto. Mas meus pensamentos foram mudando ao longo do tempo. Não por ser influenciada por linhas de raciocínio opostas, mas justamente por pensamentos como esse citado acima.  A questão é tratada de maneira simplista para dizer o mínimo. E ainda implica em dizer que mulheres "indecentes" merecem ser estupradas como se fosse um castigo. Um castigo pelo que? Por ser vestidas de forma provocante? Creio que não. Mas sim, castigo por serem mulheres. Castigo por ousarem vestir o que for de sua escolha. Castigo por ousar não seguir o padrão. Castigos por escolherem a liberdade de ser quem elas são.

E o que Janaína escolheu?

Escolheu apenas cortar o caminho para ir ao trabalho.


9 comentários:

  1. Adorei como o texto foi desenvolvido. Um breve retrato da violencia que assola nossa cidade, mas não apenas isso, é um retrato da mente violenta da nossa sociedade!! Parabéns!!!

    ResponderExcluir
  2. Oi Vanessa, nem tenho palavras para expressar o que senti ao ler seu texto..
    A situação está caótica e só se fala nisso, é uma triste realidade, é dor e só quem passou por isso sabe como é..

    Beijos Mila
    http://www.dailyofbooks.blogspot.com.br/2014/04/resenha-entao-conheci-minha-irma.html

    ResponderExcluir
  3. Que belo e profundo texto Vanessa.
    Eu gosto muito da sua maneira de escrever, de expor suas ideias.
    Realmente vivemos em um sociedade violenta, preconceituosa e machista.
    E seu texto soube expressar isto muito bem.
    Bjus

    ResponderExcluir
  4. Oi Vanessa e Lia,
    tudo bem com vocês?
    Levei um susto, não esperava por esse desfecho. Pensei que seria um texto romântico de alguém que encontra outro alguém. E infelizmente, ela encontrou alguém mas um alguém mau. Sabe, acho que no fundo no fundo, se trata da velha impunidade. Essa semana eu vi um vídeo, em um blog, falando que na sociedade atual, os meninos estão sendo criados sem aprender a respeitar as meninas. E com isso, se tornam adultos violentos, doentes, criminosos.
    Deveríamos repensar nossos valores e os pais deveriam ser mais atuantes na educação de seus filhos. Dizer que a criança é o futuro, não é uma frase bonitinha para ser repetida, ela é verdadeira. Devemos plantar o amor e respeito nas crianças e quem sabe, no futuro, quando um conto desse for escrito, será apenas uma lenda e não uma história verídica.
    Beijinhos.
    cila-leitora voraz
    http://cantinhoparaleitura.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você está coberta de razão Cila! Vivemos uma realidade triste e preocupante. Como será o amanhã?

      Excluir
  5. Acordamos todos os dias sem a certeza de como será nosso dia, até nos programamos, mas, o acaso vem e muda o roteiro... O pior é quando o acaso nos leva a situações de perigo, de violência, e nos leva a sanidade, deixando marcas que jamais serão apagadas. Vivemos em uma sociedade dividida entre viver, sobreviver e deixar o meu próximo viver. O que fazer numa situação como essa?? Será que estamos seguros mesmo estando em quatro paredes? Lá fora existe o caos e dentro de casa existe a insegurança. Só Deus para nos ajudar.
    Ótima reflexão Vanessa, parabéns.
    Ni
    Cia do Leitor

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Nizete, estamos mesmo vivendo uma realidade muito confusa e preocupante, para não dizer alarmante.
      Obrigado por seu comentário.
      Bjus

      Excluir
  6. Nossa, que texto excelente! É realidade do mundo... A triste, dura e cruel realidade! Adorei!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Uma realidade difícil e triste, mas infelizmente a nossa realidade.
      Bjus Gabi.

      Excluir

Olá ao passar por aqui, deixe um comentário. É sempre uma delícia poder conhecer sua opinião.
Obrigado por visitar e comentar no Doces Letras!