[RESENHA] Pretérito Mais-que-Perfeito - Renato Gouveia

Sinopse: Pretérito mais-que-perfeito: é o tempo verbal da saudade. Como o nome já “diz”, o passado foi mais do que perfeito, e, muitas vezes, dói só de lembrar dos bons momentos. Todo passado já foi futuro; então, é bom torcer para que haja um futuro mais-que-perfeito (apesar de os gramáticos —bobocas!— nem (ao menos!) citarem esse tempo verbal). Esta coleção de contos e crônicas (e uns poeminhas intrusos) contém as histórias de uma princesa com muita vontade de fazer sexo, um casal insuportável, alienígenas muito frios, um florista e muitas baboseiras sobre amor e saudade (e como boas baboseiras, são a parte mais importante deste livro, é claro).



Ficha Técnica:
Título Original: Pretérito Mais-Que-Perfeito | Número de Páginas: 200
ISBN: 9999093425788 | EAN: 9093425781

Olá, pessoal! Hoje eu trouxe a resenha de mais um livro que ganhou meu respeito nos últimos dias, que é o Pretérito Mais-Que-Perfeito do escritor Renato Gouveia. Vem saber mais!

'Pretérito Mais-Que-Perfeito' é um livro de contos e crônicas publicado pela Editora Autografia. O que mais me chamou atenção antes de ler o livro, foi a própria capa. E o autor explica o significado da ampulheta na orelha do livro. 

Ele diz que a areia de baixo representa o passado, mas a ampulheta em si não é finita, ela pode ser revirada e ter um recomeço. Achei isso muito significativo e que teve seu sentido próprio assim que eu terminei de ler o livro. Aqui nós temos contos e crônicas que falam sobre os mais diversos temas, o leitor pode até mesmo se identificar com alguns deles, como a saudade. Quem não sente/sentiu saudades alguma vez na vida? Quem não se perguntou sobre o sentido da vida?
"O amor existe de diversas formas e em todo lugar."
Renato Gouveia se utilizou de suas experiências, algumas ficcionais e outras não, e escreveu diversos textos, na sua maioria rápidos e de fácil leitura, para conduzir possíveis discussões e questionamentos aos quais nós não estamos acostumados. Questões sobre aceitação de si mesmo, sobre pensar demais no que os outros acham disso e daquilo, situações cotidianas exploradas com afinco e, principalmente, sobre o tempo. Afinal, ele passa rápido e a gente nem percebe, então como podemos aproveitá-lo melhor, perceber melhor o que está acontecendo ao nosso redor, como podemos recomeçar apesar de tudo? 


MINHAS IMPRESSÕES: O modo como o Renato escreve é muito bom, bem leve, o que faz com que o livro dê essa impressão de fluidez maior. Eu li o livro super rápido e me diverti bastante durante a leitura, alguns contos e crônicas me surpreenderam mais que outros, mas acho que isso se deve ao caráter pessoal de cada experiência. 

As páginas do livro são brancas, mas acredito que é por conta de todas as ilustrações coloridas que o livro possui no final de cada texto para o começo de outro. Todas as ilustrações deixaram minha leitura muito mais real, palpável e interessante. Ler 'Pretérito Mais-Que-Perfeito' foi como se eu estivesse lendo sobre acontecimentos do dia-a-dia de certa pessoa e isso me agradou bastante. 


Foi uma grata oportunidade que tive de conhecer a escrita do Renato Gouveia, autor que eu não tinha ouvido falar até então. É um livro de contos e crônicas muito significativo, que me fez pensar sobre minha própria vida, pensar sobre o meu passado e como eu posso superar os acontecimentos negativos. E esse tipo de leitura é muito necessária nos nossos tempos, quando nós estamos sempre sendo treinados para sermos os melhores e nunca para olharmos e pensarmos sobre quem somos e quais são nossos reais objetivos. Deixo aqui minha indicação de literatura nacional imperdível! 

Amanda Pires:
Ratinha de biblioteca, gateira e apaixonada por música.

12 comentários:

  1. Oi Amanda, tudo bem?
    Ainda não conhecia esse, curti bastante a sua dica!
    Blog Entrelinhas

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Felipe.
      Que bom que gostou. Espero que consiga ler.

      Excluir
  2. Oi, Amanda!
    Esse negócio de pretérito só me lembra as aulas de português na escola hahahahahha Só que fiquei curiosa com esse título e é bom saber que o autor explica isso e a ampulheta na capa.
    Beijos
    Balaio de Babados

    ResponderExcluir
  3. Oii Amanda,tudo bem? achei um livro beeem diferentão esse hahahaha amo textos e crônicas, quem sabe do gosto desse né!
    - bEIJOS, Carol!
    http://entrehistoriasblog.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Oi
    que bom que gostou e eu gosto de contos, estou até lendo um.
    Gostei do significado que da ampulheta que vocÊ falou.

    momentocrivelli.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Denise.
      Espero que tenha oportunidade de ler e de dar uma chance ao autor.
      Bjus

      Excluir
  5. Olá Amanda, acho que é a primeira resenha que vejo sua aqui no blog doces letras, e amei, eu não sei se leria o livro, acho que ficaria com sono lendo rsrsrs, mas gostei do jeito que escreveu a resenha, fez parecer um ótimo livro, parabéns!
    Beijos <3
    https://estanteclassica.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  6. Oi, Amanda

    Gostei do que o autor fala sobre a ampulheta, é bem significativo mesmo.
    Eu ja havia lido uma outra resenha sobre o livro, por isso já o conhecia.
    Que bom que foi um livro wue te fez refletir, acho legal quando um livro faz a gente parar e pensar.


    Beijos
    - Tami
    http://www.meuepilogo.com

    ResponderExcluir

Olá ao passar por aqui, deixe um comentário. É sempre uma delícia poder conhecer sua opinião.
Obrigado por visitar e comentar no Doces Letras!